Acredite nos que buscam a verdade... Duvide dos que encontraram! (A.Gide)

23 agosto 2009

A NOBRE FAMÍLIA LEÃO E AS HIENAS (resposta à Fábula da Galinha Vermelha e a O Rei Leão em sua versão Disney-ideológica)

.
(VERSÃO 2)
Tenho recebido e-mails mil com uma certa Fábula da Galinha Vermelha, enviada - que coincidência! - Brasil e da Venezuela. Reconta a velha história da galinha que se empenhou em fazer pães, ninguém quis ajudar, mas com os pães prontos todo mundo quis comer. Só que nesta versão um agente do governo obriga a galinha a dividir os pães com quem nunca fez nada - e a mensagem é óbvia, né?

A mensagem ainda diz que essa fábula foi popularizada pelo brilhante... Ronald Reagan (!), que teria aumentado a arrecadação reduzindo a carga tributária, e conclui amaldiçoando os seguintes  "animais que não gostam de trabalhar": Sem-Terra, Sem-Teto, Quilombola, Com Bolsa-Escola e Sem Escola, Puxa-sacos, Cotistas, Com indenização de Perseguido Político, Sem Vergonha... [sic]

Sem discordar de que a carga tributária brasileira seja mal distribuída, o fato é que (metáforas grosseiras à parte) eu nunca conheci nenhuma galinha rica. E aí comecei a pensar numa fábula que explicasse melhor a realidade que eu conheço da minha experiência. Acho que talvez pudesse ser A verdadeira história da nobre Família Leão e das hienas ("verdadeira" em contraste com a versão manipulada da Disney, claro). Poderia ser assim:

A NOBRE FAMÍLIA LEÃO E AS HIENAS

O leão até que comia bem com as suas caçadas, mas achava que era pouco em relação ao cansaço que lhe davam. Um dia, enquanto palitava dos dentes a carne de uma gazela com um osso de coelho, lhe veio a idéia: "O que falta é or-ga-ni-za-ção! Precisamos fundar uma Sociedade."

Foi até o outro lado da floresta, onde as hienas viviam em comunidade, e falou que estava na hora de vencer os antigos preconceitos de classe, de fazer um pacto social em benefício de todos. Pra mostrar sua sinceridade distribuiu para elas as sobras da sua última caçada - e propôs que da próxima vez as hienas, que eram muitas, fizessem o trabalho bruto da caçada enquanto ele traçava as estratégias e supervisionava a execução.

A caçada foi um sucesso! O leão ficou contentíssimo, chamou toda a sua família pra comer, e jogou alguns ossos e carcaças para as hienas. Estas ficaram espantadas, mas o leão explicou que, caso se dedicassem fielmente à sua Sociedade, logo haveria de sobra para todos.

E mais: pra garantir o sucesso da sociedade, comunicou que, em toda a floresta, seria perseguido quem insistisse em caçar para si mesmo: todos deveriam caçar para a Sociedade - pois o caminho do Progresso era esse.

Como ninguém discute com família de leão, ficou assim. E qual era a situação alguns anos depois?

As hieninhas jovens estavam cansadas de ver papai e mamãe chegarem em casa arrebentados, e com uma porçãozinha de caça que não dava para todos. As mais boazinhas pensavam: "eu vou crescer e vou mostrar pro meu pai que eu sou capaz de trabalhar muito melhor, vou conquistar uma posição melhor na Sociedade e trazer bastante comida para casa."

Mas outras reparavam que havia uma multidão de hieninhas à espera de vaga na Sociedade, especialmente depois que fizeram uma "reengenharia" para melhorar a eficiência do sistema. Essas começaram a desconfiar que nunca nenhuma hiena iria se dar bem na Sociedade. Ou quando muito uma em cem. E como tinham amor pelos irmãos e irmãs, não queriam ser o 1 que se dá bem às custas de 99.

Começaram a se recusar a ir para a escola onde lhes apregoavam o dia inteiro a importância da Sociedade e do Progresso sem nunca explicarem o porquê de nada. Papai e mamãe não podiam faltar no trabalho, nem tinham tempo e forças pra tentar fazer alguma coisa, então as hieninhas vagavam em bando pela floresta, umas comendo o que encontrassem, outras mendigando, outras atacando qualquer um que passasse descuidado.

Mas... e quanto à família do leão?

Bem, papai leão trabalha mesmo feito um louco na administração da Sociedade. Ele diz que faz isso pra que os filhos não precisem passar pelo que ele passou.

Mamãe leoa se divide entre jantares beneficentes e tardes na Daslu, onde comprou uma coleção de bolsas de couro ma-ra-vi-lho-sas, de tudo que é animal - inclusive de hiena e de leão, vejam só a ousadia! Ah, as manhãs ela passa na terapia da moda - antes foi psicanálise, agora é meditação. Pra ver se dá um jeito numa angústia besta, que ataca sem nenhuma explicação.

A leozinha mais velha foi estudar artes em Nova York. Voltou e fez uma exposição que ninguém achou graça mas foi um baita sucesso de crítica. Afinal, todos donos de jornais são amicíssimos do leão.

Tem uma que estuda administração e pretende substituir o papai no comando. Sua intenção é começar dando fim numa série de concessões inaceitáveis que o velho acabou fazendo às hienas ao longo dos anos.

Um outro se formou em direito mas não sabe bem o que quer fazer. Atualmente passa os dias enviando pela internet a Fábula da Galinha Vermelha. Fora isso, nunca trabalhou, mas assim mesmo ganhou enormes elogios do papai: "É isso mesmo, meu filho! Quem sai aos seus não degenera!"

Ah, já ia esquecendo, tem um outro, só que ninguém fala dele. Quando criança ele começou a fazer amizade com as hieninhas na rua. Como a segurança do prédio não deixava as hieninhas entrarem pra brincar, começou a ir brincar na casa das hieninhas na favela. Incrível, nunca deixaram de dividir com ele a pouca comida que a mamãe e o papai traziam de noite! Começou a achar que a história estava mal contada e foi estudar sociologia.

Ficou louco, coitado. Foi morar na favela e vive num aperto de dar dó. Mas se recusa totalmente a voltar a viver entre os leões. Disse que no último jantar de família teve uma crise de vômito incontrolável. A conversa na mesa versava sobre os absurdos que o governo anda fazendo com suas ações paternalistas pra agradar as hienas, quando é evidente que essa gente vive assim por opção, pois não querem pagar o custo de trabalhar.

E é claro que mamãe leoa que passa as tardes na Daslu, filhinha que faz arte em Nova York, filhinha que estuda na faculdade mais cara e o filhinho que passa os dias na internet postando a Fábula da Galinha Vermelha... só puderam concordar com entusiasmo!

Y... colorín colorado, este cuento se ha terminado.
Floresta-São-Paulo, agosto de 2009
Zé Ralf do C-do-Mundo

3 comentários:

  1. Salve Ralf!

    Pois é. Viva o altruísmo leonino!

    Muito boa fábula.

    Abraços,

    J.

    ResponderExcluir
  2. Faz meses, talvez mais de um ano que eu não leio um negócio tão bom.

    Ficou incrível a fábula, cara.

    ResponderExcluir