Acredite nos que buscam a verdade... Duvide dos que encontraram! (A.Gide)

27 junho 2009

3 meditações sobre Michael Jackson

http://www.tropis.org/imagext/090627-michael_jackson%20montagem.jpg

AS FOTOS 1, 2, 3 e 6 SÃO REAIS. AS 4 e 5 SÃO PROJEÇÕES
DE COMO MICHAEL JACKSON PODERIA ESTAR AOS 50 ANOS
SE NÃO TIVESSE ENTRADO EM SUA VIAGEM DE TRANSFORMAÇÕES CORPORAIS
 

 
Além das fotos acima, compartilho aqui mais 3 coisas:
I. Um convite (rápido) à reflexão sobre a relação pais-filhos a que esse caso nos convida
 
II. A tradução integral que fiz do depoimento de Lisa Marie Presley, filha de Elvis e viúva de Michael, por ter me parecido um documento psicológico relevante e um documento humano profundamente comovente.
 
III. O poema distribuído hoje por uma prima,
a cientista social e poeta Marialice Pedotti
(Se apressem!... Anjos passam muito rápidos por nós...)

I. O futuro do mundo 
nas mãos dos Pais (& Mães) 
 
Com certeza vocês nunca acharam que eu fosse escrever sobre o Michael Jackson, não?  Nem eu.
 
Minha primeira reação às manifestações comovidas dos amigos internéticos foi quase de raiva. Algo como "Vocês não percebem que ele estava morto há muito tempo? Que Michael Jackson se suicidou há muito, que o que ainda estava aí era um cadáver ambulante, um zômbi, e então é melhor que finalmente lhe tenha sido dado descanso?"
 
Mas eu não estava dizendo novidade: todo mundo sabia disso! E no entanto não deixavam de estar comovidos de modo autêntico.
 
A maior parte, é verdade,  dizendo bobagens como "ele nos deixou tão cedo, ainda podia produzir muito mais" (quando, como eu disse, já não o tínhamos há muito) - mas isso apenas por não saber colocar em palavras os sentimentos mais profundos.
 
No fundo acho que muita gente queria, como eu, era poder pegar no colo o molequinho (que um dia ele foi e que por dentro nunca deixou de ser) e se desculpar por, como humanidade inteira, não termos sabido lhe oferecer um caminho menos absurdo e doloroso em sua estada no planeta.
 
E aí nos chega por diversas fontes a declaração de Uri Geller, amigo pessoal de Michael, que este lhe teria dito que tinha mudado de cara desse modo para não ficar parecido com o pai.
 
"Baboseira", protestaram alguns - mas quando vieram a público, nos anos 90, as primeiras falas de irmãos e irmãs de Michael sobre a violência do pai, eu nunca tive dúvida que se tratava disso.
 
Também não tenho dúvida de que o pai acreditava com sinceridade que estava fazendo o melhor pelos filhos. Mas não estava. Estava fazendo merda.
 
Quase todos os pais acham que estão preparados que chega... mas o fato é que amor e boas intenções NÃO são garantia nenhuma de que pais não ajam desastrosamente em relação a seus filhos: também é preciso entender.
 
E hoje EXISTEM conhecimentos suficientes para fazer uma verdadeira revolução na relação de pais com os filhos, permitindo que as gerações futuras cheguem a um nível de felicidade & realização como a humanidade ainda não conheceu!  Só que...
 
... esses conhecimentos ainda não chegam a nem 1% dos pais e mães em atuação agora.
Ou seja: a chave pra mudar o mundo está aí - e será que ninguém quer saber?!

  
No fim de julho vou realizar 2 ou 3 encontros sobre esse tema nas tardes de sábado
Parte de uma pesquisa, a participação será sem custos
É possível que haja continuação para os interessados
 
Se você tem interesse em participar, me responda por este e-mail e aí combinamos os detalhes


 
 II. O depoimento de LISA MARIE PRESLEY
cantora, filha de Elvis Presley
,
viúva de Michael Jackson 

 
Sexta-feira, 26 de junho de 2009 

Ele sabia.

Anos atrás Michael e eu estávamos tendo uma conversa profunda sobre a vida em geral. Não consigo lembrar o assunto com exatidão, mas parece que ele tinha feito perguntas sobre as circunstâncias da morte do meu pai. A certa altura ele parou, olhou fixa e intensamente para mim e afirmou com uma certeza quase calma: "Pois eu receio que vou acabar como ele. Do modo como ele acabou."

No mesmo momento eu tentei afastar essa idéia, mas ele apenas deu de ombros e sacudiu a cabeça como se fosse um fato decidido; como para me comunicar que ele sabia o que sabia, e que era mais ou menos isso.

14 anos depois eu estou sentada aqui, vendo no noticiário a ambulância saindo da casa dele, os grandes portões, a multidão na frente dos portões, a multidão na frente do hospital, a causa da morte e que circunstâncias podem ter levado a ela - e a lembrança dessa conversa me sacode, assim como as lágrimas que não param. Um fim previsto por ele, pelos seus queridos e por mim. O que eu não havia previsto é o que iria doer quando finalmente acontecesse.

Neste momento a pessoa que eu não consegui ajudar está sendo transferida para o instituto médico-legal de Los Angeles para sua autópsia. Toda a indiferença e distanciamento que eu lutei tanto para conseguir ao longo dos anos acabam de desaparecer nas entranhas do inferno, e eu estou abalada. Vou dizer agora o que eu nunca disse antes, pois quero a verdade na rua pelo menos uma vez.

Nosso relacionamento não foi "uma farsa" como tem sido dito na imprensa. Foi sim um relacionamento incomum, onde duas pessoas incomuns, que nunca tiveram nem conheceram uma "vida normal" encontraram uma conexão - talvez em um momento um tanto suspeito, da parte dele. Mesmo assim, eu de fato creio que ele me amava tanto quanto era capaz de amar alguém, e eu o amava muito.

Eu queria "salvá-lo". Salvá-lo do inevitáve l, que é justamente o que acaba de acontecer. Sua família e seus queridos também queriam salvá-lo disso e não sabiam como - e isso foi 14 anos atrás. Naquela ocasião todos nós temíamos que viesse dar nisto.

Naquela época, tentando salvá-lo eu quase me perdi. Ele era uma força incrivelmente dinâmica, um poder que não deve ser subestimado. Quando usava esse poder para algo de bom, o resultado era o melhor. Quando usava para algo ruim, era de fato muito, MUITO ruim. Medianidade (mediocrity) não era um conceito que encontrasse lugar no ser ou nas ações de Michael Jackson por um único segundo.

Terminei muito doente, emocional e espiritualmente exausta, na minha tentativa de salvá-lo de certos comportamentos autodestrutivos e dos horríveis vampiros e sanguessugas que ele sempre deu um jeito de magnetizar para em torno de si.
 
Entrei até onde não dava mais pé, na minha tentativa. E eu tinha meus filhos para cuidar. Tive que tomar uma decisão. A decisão mais dura que tive que tomar na vida, que foi ir embora e deixá-lo entregue ao seu destino (fate), mesmo amando-o desesperadamente e tentando parar ou reverter esse destino de alguma maneira.

Depois do divórcio eu passei alguns anos obcecada por ele e pelo que eu pudesse ter feito de diferente, em remorso. Depois passei alguns anos enraivecida com toda a situação. E em algum momento eu me tornei indiferente de verdade. Até agora.

Enquanto estou aqui sentada, dominada pela tristeza, reflexão e confusão quanto ao que foi até hoje a minha maior derrota, vejo no noticiário quase que lance por lance o quadro EXATO que eu vi acontecer em 16 de agosto de 1977 - um quadro que eu queria nunca ter que ver de novo - acontecendo de novo agora com o Michael exatamente como ele predisse, e estou verdadeiramente muito, muito abalada.

Quaisquer sensações ou palavras ruins que eu tenha sentido em relação a ele no passado acabam de morrer dentro de mim junto com ele. Ele foi uma pessoa incrível e eu tive sorte de ter chegado tão perto dele quanto cheguei, e por ter tido as muitas experiências e os anos que nós tivemos juntos.

Espero desesperadamente que ele possa estar aliviado de sua dor, suas pressões e redemoinhos, agora. Ele merece estar livre disso tudo, e eu espero que ele esteja em um lugar melhor, ou que venha a estar.

Também espero que qualquer outra pessoa que sinta que falhou ao tentar ajudá-lo possa ser libertada, pois ele (é nossa esperança) finalmente está.
 
O mundo está em choque, porém mais que qualquer outra pessoa ele de algum modo sabia exatamente como o seu destino seria executado algum dia, e estava certo.

Eu realmente precisava dizer isto agora, muito obrigado por me escutarem.

~ LMP  (Lisa Marie Presley)

No blog
http://blogs.myspace.com/index.cfm?fuseaction=blog.ListAll&friendId=42291868 - Tradução brasileira Ralf Rickli - arte em idéias, palavras & educação http://ralf.r.tropis.org
 

III.

Para MJ, em 25/06/2009

 

Se apressem!...

Anjos passam muito rápidos por nós!

Com suas asas invisíveis

Cantos de beija-flor

Aparecem, às vezes, entre nós!

Anjos...

Ah! ... os anjos perfeitos!

Leves, rápidos

Às vezes são bailarinos

No misterioso oriente

Às vezes são pintores

Na velha Europa

Às vezes são compositores

Na América latina

 

Desta vez

Mágico, magnético, genial

Para o qual anjo

Todos nós levantamos nossos braços

E oferecemos nossos corpos

Em delírio musical...

Desta vez, mágico,

Inconfundível

Para sempre menino

Trágico e único

Thriller e maravilhoso....

Leve e rápido

Passou por nós um anjo alado...

O ser musical...

Anjos passam

Muito rápido

Por nós!...

Com suas asas transparentes

Se vão!

E nossas lágrimas

Os querem mais!...

 

 

 Marialice Pedotti, junho/2009
.

Um comentário:

  1. Pobre Michael =(
    Que hoje esteja feliz e em paz

    O mundo sempre vai te amar S2
    Obrigada por nos iluminar durante 50 anos

    Meu anjo, meu herói, meu eterno amor

    Mônica

    ResponderExcluir