Acredite nos que buscam a verdade... Duvide dos que encontraram! (A.Gide)

10 abril 2009

a Páscoa e o céu sobre Berlim

Caros amigos,
vai este ano uma mensagem de Páscoa bem diferente de qualquer uma que eu já possa ter escrito!

Uma das coisas que mais me chamaram atenção em Berlim, que conheci semana passada, é que durante a maior parte dos dias de sol aparece uma cruz de pura luz sobre a esfera metálica da Torre de Televisão (Fernsehturm, literalmente "Torre de Ver Longe"), num nível muito mais alto que qualquer outra construção ou ponto da cidade.

foto Céu de Berlim http://www.tropis.org/imagext/s7300181-c3.jpg

Aí fiquei sabendo que esse foi um efeito inesperado nessa torre e esfera construídas como demonstração de força, para serem vista do outro lado do muro, pelo antigo regime "comunista" (coloco entre aspas por ter se tratado da mais terrível falsificação e degradação de um conceito que originalmente visava o bem). E esse regime que negava oficialmente toda e qualquer dimensão de espiritualidade ou de transcendência ficou tão irritado com a inesperada aparição que de fato tentou acabar com ela diminuindo o polimento do metal - mas a cruz continuou lá...

Durante todos os meus dias lá fiquei pensativo quanto a isso - e acabei chegando a uma leitura simbólica que não é grosseiramente conservadora como a que pode nos passar pela cabeça inicialmente:

A imagem da cruz surge porque se trata de uma esfera formada de pedacinhos quadrados (e portanto terrestres, pelos simbolismos antigos), distribuídos no espaço de um modo igualitário. Ou seja: mesmo que tenha sido construída com outras intenções por um regime falsamente igualitário, a forma em si de fato expressa o ideal de um Planeta Terra igualitário, com todas as suas partes expostas igualmente ao céu e ao Sol.

E o que se dá então? Ao que parece, sobre uma tal Terra tornada justa, a presença da Luz do Sol assume naturalmente a forma de uma cruz - e não da cruz da morte, e sim da cruz da ressurreição, de braços iguais e dentro do círculo ou esfera (imagem de que fala uma famosa profecia dos índios Hópi).

Essa cruz se mostra então como expressão da relação entre esfera e esfera - uma esfera que dá por igual e uma esfera que recebe também de modo igualitário. Relação entre pai/mãe justo(a) e filhos(as) justos(as) à imagem de tal pai/mãe. (A flexibilidade no uso do gênero é encorajada - além de outras razões - pelo fato de a palavra alemã para Sol ser feminina).

E talvez ainda possamos ver aqui a imagem de um objetivo tão grandioso que, mesmo quando perseguido com falsidade, conseguiu tomar posse das obras dos que agiam falsamente e gritar-se no céu - e no céu justamente dessa cidade que já foi símbolo de todo tipo de prepotência e de divisão, e que hoje se empenha em fazer-se símbolo do convívio restaurado/instaurado por atitudes de confissão explícita das culpas passadas, de promoção do respeito entre os diferentes, de humildade e de bom-humor.

Com certeza muitas outras leituras são possíveis. Esta que compartilhei com vocês é para mim uma espécie de ressurreição da própria ressurreição nos termos desta fase da minha vida em que sinto o... (paradoxalmente?) chamado & dever de tentar olhar o mundo de um modo mais existencialista, menos tradicionalmente religioso, do que em qualquer outra época da minha vida.

Lamento apenas ter expresso aqui numa linguagem tão cerebral-intelectual o que foi uma vivência interna tão puramente poética... mas aí está: fiz o que me foi possível nesta Sexta-Feira da Paixão 09.04.2009.

Abraços pascoais a tod@s!

Nenhum comentário:

Postar um comentário