Acredite nos que buscam a verdade... Duvide dos que encontraram! (A.Gide)

20 abril 2014

UM MUNDO SEM GAYS NEM LEIS - ou Como Bolsonaro depois de morto quase extinguiu a cultura mundial



Publicado originalmente na coluna Espaço LGBT no jornal ES Hoje, em 11.04.2014.

No quê Bolsonaro morreu, já resolveu dar um golpe de Estado no além para “moralizar a história da humanidade”. Conseguindo se apossar do grande computador dos destinos, mandou suprimir do passado todos que tenham tido vivências homo e trans, duradouras ou ocasionais.

Rio de Janeiro: no Teatro Municipal, o maestro havia levantado as mãos para iniciar um concerto com o Bolero de Ravel e a 5ª Sinfonia de Tchaikóvski, quando as partituras sumiram, e os músicos nem lembravam que peças deveriam tocar. Nas escolas de samba, além de muita gente sumir, o pessoal também não sabia o que fazer, pois sua organização derivava da criada em 1929 por Ismael Silva. Blocos e bailes de carnaval ficaram igualmente no vazio, sem as marchinhas de Lamartine Babo e de Assis Valente. E a vista do Pão de Açúcar, cadê? Sem o Parque do Flamengo, concebido por Lota Macedo Soares, os prédios tapavam tudo.

Música no rádio? Como, sem tantas das vozes masculinas e femininas, e tantos dos compositores, na MPB, rock e pop nacional e mundial? Em todos os idiomas, poesia, ficção e teatro também se calavam, sem contribuições fundadoras como as de Shakespeare, Whitman, Wilde, Gide, Goethe, García Lorca, Fernando Pessoa. Nas artes plásticas, a devastação incluiu a Mona Lisa, a Capela Sistina, a Pietà, a ode ao corpo masculino que é aquele Davi de 6 metros - tudo de Da Vinci e de Michelangelo, enfim. E a filosofia evaporou de Sócrates até Wittgenstein e Foucault - e como sem Sócrates não haveria Aristóteles, sumiram também todas as bases da lógica, da ciência e da política ocidentais.

Correram aos computadores para entender - mas sem os fundamentos lançados pelo matemático Alan Turing não havia computadores e, como se pode imaginar, quase nada da tecnologia atual. Com isso, nos hospitais mais avançados imperava o caos, e, sem a tradição fundada por Florence Nightingale, nem enfermagem havia. Cidades inteiras sumiam, como Alexandria, já que não houve Alexandre para fundá-la. E por falar em Alexandria, a maior parte das bibliotecas já nem fazia sentido, pois, sem Júlio César, os romanos não tinham conquistado a Europa Ocidental, e assim as línguas portuguesa, espanhola e francesa não chegaram a existir, e nem mesmo o inglês, que recebeu metade do seu vocabulário do latim!

Sem as teias da cultura que lhes conferiam identidade, pessoas vagavam sem saber quem eram nem onde estavam. Foi quando o arcanjo Rafael, patrono da cura, da comunicação e de tudo o que intermedeia entre os extremos - inclusive entre os sexos e os gêneros - percebeu o que estava acontecendo, chamou os colegas Gabriel e Miguel, e irromperam na sala em que o filhote de Hitler aprontava. Miguel quis logo evaporá-lo com um raio, mas os outros preferiram o humor - e o projeto de ditador foi colocado para servir refrescos nos círculos do purgatório pelo resto da eternidade, como garçonete drag caricata. Assim, o mundo ficou tendo não só sobrevivência, mas recuperou as cores, arte, cultura, civilização… e eu pude acordar aliviado!
 
 
A cidade de Alexandria teria desaparecido - junto com muitas outras -
com a tal moralização da história intentada pelo fantasma de Bolsonaro...
 
  

2 comentários:

  1. Confesso: roubei na mão grande e postei em meu nauseabundo, pantanoso e colorido blog. Mande a conta, Ralf, mas pegue leve: sou um velhote de poucas luzes e sem patrimônio.

    ResponderExcluir