Acredite nos que buscam a verdade... Duvide dos que encontraram! (A.Gide)

20 maio 2010

África: revista branca, quando não suja na entrada...

Pois é, pessoal, por um lado é ótimo que a existência das civilizações africanas comece a ficar mais visível. A revista História Viva (Duetto Editorial) traz este mês uma matéria traduzida do francês sobre a cidade de Timbúktu - ou mais precisamente sobre sua busca pelos europeus na qualidade de lendário "Eldorado africano".
 
Não deixo de recomendar, apesar de não ser muito aprofundado. Está disponível em 5 (pequenas) páginas a partir de http://www2.uol.com.br/historiaviva/reportagens/em_busca_do_eldorado_africano.html , fonte das duas images que reproduzo abaixo.
 
O "pobrema" é que lá pelas tantas não sei se a autora ou quem traduziu deixa escapar uma "pérola" clássica - que vai explicitada na carta que acabo de mandar para a revista.   (Ralf)
 
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 
 
Srs, o descuido terá sido da autora Françoise Labalette ou do(a) tradutor(a)?
 
Na matéria 'Em busca do Eldorado africano', em História Viva 79, maio 2010, lemos literalmente "'O vencedor de Timbuktu'", o primeiro homem a abrir caminho pelo Saara, desembarcou em Toulon em 8 de outubro de 1828", referindo-se a René Caillié.
 
Ora, a riqueza de Timbúktu e de tantas outras cidades da mesma faixa geográfica se devia justamente a serem portos de caravanas de um comércio transaariano regular que datava de séculos, e provavelmente mais: de milênios. Leiam-se a propósito, para citar um só nome, as obras de Basil Davidson.
 
Portanto, ao chamar esse francês do século XIX de "o primeiro homem a abrir caminho pelo Saara", o(a) responsável pelo texto deixa escapar mais uma vez a ideologia racista encravada nas profundezas do inconsciente: "homem" seria sinônimo de "europeu", ou no mínimo "branco"; e os próprios africanos não seriam exemplares dessa espécie...
 
É importantíssimo trazer a História da África a público - mas fazê-lo com total consciência e qualidade parece permanecer um ideal inatingido!
 
Ralf Rickli, autor do livro e da peça "O dia em que Túlio descobriu a África"
 
http://www2.uol.com.br/historiaviva/reportagens/img/timbuktu_4.jpg http://www2.uol.com.br/historiaviva/reportagens/img/timbuktu_5.jpg
1. No caderno de Caillié, a mesquita da cidade é representada com um detalhado plano de sua localização. (Biblioteca Naiconal da França, Paris)
2. A grande mesquita de Djenné, cidade que impressionou o explorador francês pela prosperidade de seu comércio
 

Um comentário:

  1. A atenção é fundamental, não? Pequenos detalhes, palavras insignificantes, podem transformar completamente o conteúdo das coisas, dar outro tom.

    E nossos ouvidos, mesmo que não detectem criticamente a coisa, registram tudo. E aí, já viu né? Dali a pouco tudo é reproduzido num mar de "sem querer" de uns, na terra do proveito de outros. Putz!

    Beijão, Rarf. =)

    ResponderExcluir