Acredite nos que buscam a verdade... Duvide dos que encontraram! (A.Gide)

20 abril 2008

SOMOS TODOS ÍNDIOS


SOMOS TODOS ÍNDIOS

um texto original apresentado no evento
Julgamento Popular de Borba Gato
em 19.04.2008




Índios!...

Índios!...

Todos índios!...

SOMOS TODOS ÍNDIOS!


Somos todos índios:
você diz que não,
mas tá na cara,
tá na pele, tá nas formas,
tá no olho da titia, no cabelo da vovó,
no meu olho, seu nariz...

Somos todos índios!
Tá no apelo da cachoeira,
da vida pra fora das portas,
na partilha com os amigos
no desprezo por quem acumula -
tá na generosidade
que nem pensa no amanhã
- guardar? pra quê?
guardar pra quê,
se afinal É TUDO NOSSO?

Somos todos índios:
feitos do pó vermelho desta terra,
águas destes rios nas nossas veias,
fibra destas matas nestas fibras
o jeito manso da capivara
escondendo coração indomável
de onça -

Somos todos índios:
está na vitória secreta
da alma que finge obediência
mas que por dentro ri
e continua, indomada,
fiel a si...

Somos TODOS índios:
índios de América e índios de África,
índios da Ásia, das ilhas, das matas do mundo
- até índios da Europa
até eles, pisados por 3 mil anos
de uma colonização esquecida...

SOMOS TODOS ÍNDIOS!
SOMOS TODOS ÍNDIOS!


E VOCÊ, BORBA GATO,
você que no dia-a-dia
também falava tupi ...
mas chamou moços de Portugal
pra casar co'as suas filhas
- você e sua raça
foi quem quis nos fazer esquecer!

SOMOS TODOS ÍNDIOS!
SOMOS TODOS ÍNDIOS!

Raça de Borba Gato,
traidora da sua própria indianidade,

seu progresso
não é
o que escolhemos
seu bom-senso nos parece loucura
seu bem-estar nos parece tortura,
suas boas intenções, maldade,
seus bons modos, falsidade,
sua justiça, violência pura...
 
(SOMOS TODOS ÍNDIOS!)

Raça de Borba Gato,
traidora da sua própria indianidade,
não, não tamos aqui pra sustentar seu lindo almoço
que custa o mesmo que dois meses
do trabalho de um dos nossos -
enquanto comentam a incompetência do governo
em reduzir as injustiças nacionais...

(SOMOS TODOS ÍNDIOS!)

Raça de Borba Gato,
traidora de sua própria indianidade,
que fez do Anhembi rio de veneno,
do Jurubatuba uma cloaca,
do ar puro de Piratininga
uma meleca de cortar com faca

Raça de Borba Gato,
traidora de sua própria indianidade,
vocês
já gastaram suas chances -
agora tá na hora
de também jogarem fora
o mito idiota
de que nasceram pra mandar

- eu não sou conduzido, diz você:
muito bem,
muito bem, nós também não!

mas aí me diz também - eu que conduzo!
ah, é, meu bem? conduz a quem?
só se for
(como gostam tanto de dizer
em Portugal
)
só se for
a puta que o pariu
(com perdão das companheiras
que se viram na labuta sexual).
 
Raça de Borba Gato,
traidora da sua própria indianidade
- tá na hora de parar
de querer bancar cacique
quando ninguém te elegeu

tá na hora de assumir
que é mais um índio
que nem os outros,

e de pegar trabalho
que nem os outros,

arroz, feijão e macaxeira
que nem os outros,

de conduzir
só a si mesmo - e olha lá:
na maior atenção aos outros
pra não trombar.


Manuel de Borba Gato, mameluco renegado,
escuta a voz de todo mundo:
t
á na hora de largar esse trabuco,
e dividir o mando
com todo mundo!                         
 

Manuel de Borba Gato, mameluco renegado:
r
abo entre as pernas, bandeirante!

- pois chegou a hora de você
assumir...

ou...
SUMIR!

SOMOS TODOS ÍNDIOS
SOMOS TODOS ÍNDIOS
SOMOS TODOS ÍNDIOS
SOMOS TODOS ÍNDIOS
...






Nenhum comentário:

Postar um comentário