Acredite nos que buscam a verdade... Duvide dos que encontraram! (A.Gide)

17 julho 2016

QUAL É MESMO A VERDADEIRA SITUAÇÃO DA PETROBRÁS?

.
Este texto foi publicado anteriormente pela AGERN - Associação dos Geólogos do Rio Grande do Norte - com os links quebrados. A presente versão teve seus links restaurados. A autoria é
possivelmente do geólogo Bruno Veronez, mas não conseguimos confirmar.
.

Bom, eu tenho conversado com muita gente sobre a real situação da Petrobras hoje em dia. Todos os dias somos levados a crer que a empresa afundou, que houve um rombo da ordem de 35 bilhões de reais, de acordo com Miriam Leitão (a suposta sumidade da Macroeconomia).

É certo que é necessária a ação da Operação Lava-Jato na investigação dos esquemas de corrupção envolvendo políticos de praticamente todos os partidos políticos, empreiteiras e o alto escalão da administração da Petrobras.

Eu, como Geólogo, e depois de acompanhar muitas discussões acerca do tema, pesquisei e tive acesso às pesquisas de muitos de meus colegas, em especial aos membros do grupo de emails Geobahia, como Carlson Leite, Argemiro Garcia Filho, Josafá Santos, Telesforo Marques, dentre muitos outros profissionais da área, professores e alunos. Então vou reproduzir, com algumas edições um pouco da última discussão produtiva (muitas não são) sobre o assunto, conforme compilado por Marcelo Abbehusen:

Vamos começar com o balanço da Petrobras no exercício de 2015:

http://www.petrobras.com.br/fatos-e-dados/divulgacao-de-resultados-do-exercicio-de-2015.htm

No balanço, são notáveis seguintes pontos:

1 - A dívida líquida da empresa reduziu em 5%.
Ué! Mas a empresa não tinha dado prejuízo? Como pode a dívida ter diminuído?
Vamos então ao ponto 2:

2 - Fluxo de caixa livre positivo em R$ 15,6 bilhões.
Como assim? E o prejuízo? Fica aonde?
O prejuízo de R$ 34,8 bilhões está relacionado ao impairment de ativos. Mas o que é isso? O link abaixo explica:

http://blog.sage.com.br/impairment-voce-sabe-o-que-e-isso-2/

Em resumo, o prejuízo causado pelo impairment dos ativos é fruto da desvalorização dos mesmos, que, no caso da Petrobras, está principalmente relacionado à queda no preço do barril do petróleo.

Se você também acha que isto é mentira, veja o gráfico do preço do crude oil nos últimos 5 anos. Nele, você notará que o preço caiu de aproximadamente 110-120$, em meados de junho de 2014, para valores abaixo de 30$, no início de 2015. Segue o link:

http://www.infomine.com/investment/metal-prices/crude-oil/5-year/

E as outras empresas de petróleo? Como estão? Será que só a Petrobras está sofrendo por conta deste momento tão conturbado que vive a indústria do petróleo? Será que a Globo e a Revista Veja estão certas, e só a Petrobras está em crise?

Para não restar dúvidas, vamos procurar algumas notícias sobre as grandes e maravilhosas empresas multinacionais de Petróleo.

http://www.nytimes.com/2016/02/03/business/energy-environment/oil-company-earnings.html?_r=0

http://www.ibtimes.co.uk/shells-annual-profit-plunges-80-amid-ongoing-slump-oil-prices-1541860

http://www.ibtimes.co.uk/bps-annual-profit-halves-slump-crude-prices-impairment-charges-take-their-toll-1541396

http://petroglobalnews.com/2016/02/repsol-flags-3-2-billion-fy2015-writedown/

http://fuelfix.com/blog/2015/10/26/billions-in-impairments-spending-cuts-expected-in-oil-earnings/

http://www.statoil.com/en/NewsAndMedia/News/2016/Pages/1Q-2016.aspx
 
Sugiro que você leia os artigos acima.

Neles, você verá que a ExxonMobil, Shell, BP e Chevron (o que restou das antigas "Sete Irmãs"), além de outras gigantes como Statoil, Repsol, etc, estão passando por momentos COMPLICADÍSSIMOS, sem exceção.

O lucro anual da Shell caiu 80% em relação à 2014. O da BP caiu 51%. O da ExxonMobil caiu 50%.

E assim por diante.

Enquanto isso, em 2015 vimos esta notícia:

http://www.brasil247.com/pt/247/economia/192051/Lucro-da-Petrobras-supera-Chevron-Exxon-e-BP.htm

E o preço da gasolina? Nossa gasolina é realmente tão cara assim?

Esse site publica diariamente o preço da gasolina em todo o mundo:

http://www.globalpetrolprices.com/gasoline_prices/

Nele, o Brasil figura aproximadamente no meio da lista com a média de 1,06 dólar/litro. Com o dólar a 3,53 (em 12/04/16) temos o preço médio no Brasil, 3,60 reais/litro. Mais barata que países como Áustria ($1,24) Espanha, Suiça, Alemanha, Bélgica, Irlanda, França, Reino Unido, Islândia, Suécia, Itália, Dinamarca, Portugal, Noruega e Hong Kong (a mais cara do mundo, custando $1,80).

A média mundial é 0.99 dólares/litro. Repare que apesar do preço atual, a gasolina brasileira sempre foi vendida ABAIXO da média mundial, ou seja: abaixo do valor de mercado. Por isso, a Petrobras teve prejuízo durante muitos anos, vendendo gasolina mais barata aqui dentro.

O governo controlou o preço dos combustíveis para segurar a inflação, uma vez que eles tem um peso muito importante no índice.

Alguns economistas estimam que o prejuízo DA PETROBRAS por conta destas práticas seja da ordem de R$ 100 bilhões.

Para aprender um pouco mais sobre o assunto:

https://infopetro.wordpress.com/2015/05/18/impactos-da-politica-de-precos-dos-combustiveis-sobre-a-petrobras/
 
Para aprender um pouco mais sobre a composição do preço da nossa gasolina, é bom ler isso:

http://www.petrobras.com.br/pt/produtos-e-servicos/composicao-de-precos/gasolina/

http://www.petrobras.com.br/fatos-e-dados/entenda-dez-questoes-sobre-a-nossa-gasolina.htm

Por favor, compartilhem isso e vamos esclarecer essa situação de vez. É muito injusto ver um dos nossos maiores patrimônios ser destruído por essa mídia e não fazer nada.

--------------------------
ESTE TEXTO FOI PUBLICADO ANTERIORMENTE NO FACEBOOK DA AGERN - Associação De Geólogos Do Rio Grande Do Norte, mas infelizmente com todos os links quebrados, impossíveis de seguir. A versão acima teve seus links restaurados. Também já vimos o texto ligado ao nome do geólogo Bruno Veronez, mas não consegumos confirmar se a autoria é dele mesmo. Seja como for, somos imensamente gratos ao autor, pois é um texto importantíssimo, para reproduzir ao máximo!
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário