Acredite nos que buscam a verdade... Duvide dos que encontraram! (A.Gide)

16 setembro 2011

Tantas vidas numa só... Acho que está começando a QUINTA!

.
Desde as 12:45 de anteontem (14.09.2011) este que vos escreve se encontra na cidade de Vitória, capital do Estado do Espírito Santo.


Bom, isso não chega a ser novidade: desde 1985, esta é a quinta vez que ponho os pés neste chão. Só que desta vez - salvo imprevistos incontroláveis que aposto que não virão - é pra ficar. Por no mínimo 7 anos (há razões não exatamente cabalísticas para isso), talvez por mais. Talvez pelo resto da vida - quem pode dizer?

Em 1957 pousei neste planeta em Curitiba porque meus pais - ambos do interior do Paraná - haviam se conhecido por lá, mas com por volta de um mês já estava morando em Guarapuava - na época, apesar de seus 140 anos, não mais que um pequeno núcleo imerso em poeira ou em lama (dependendo de chover ou bater sol), situada em campos nativos belíssimos porém a 1.100 metros de altitude - quer dizer: varridos quase o tempo todo por um vento gelado cortante - e com uma cultura local não menos cortante, quando não contundente ou perfurante: faca, porrada ou bala, o mais típico far-west. Viver nesse lugar numa casa onde havia livros, Beethoven e Bach - apesar de não pouca porrada também dos pais - foi uma espécie de exercício precoce em dialética.


Vivi em Guarapuava até uns dois meses antes de completar 15 anos, e aí me instalei em Curitiba, em casa de tia & vó, pra tentar achar meus caminhos no mundo civilizado... E, não, não foi uma continuação, uma metamorfose ou desenvolvimento do anterior: foi outra vida. Verdade que houve um fio condutor: uma das duas únicas coisas bonitas que eu havia conhecido até então: música (a outra era a natureza). Na dúvida entre Filosofia, Psicologia e Jornalismo, fiquei mesmo só com o estudo de música, que dois meses antes dos 18 virou ensino de música: meu primeiro emprego, em carteira, professor de música em Santa Catarina (!) (eu ia uma vez por semana, a divisa dos estados é a menos de 100 Km de Curitiba). Eu pensava sinceramente que lidaria com isso pelo resto dos meus dias, frequentava congressos e cursos de Buenos Aires a São João del Rei - mas entre os 21 e 22 essa segunda vida teve um fim. Desmoronou por si mesma, pela incapacidade de equacionar sozinho uma porção de tensões internas, e falta de quem ajudasse a equacionar.


Aí cruzei o pessoal da antroposofia, que me pareceu detentor de possibilidades de síntese entre as diferentes coisas que minha(s) vida(s) já me havia(m) dado a conhecer: natureza & vida no interior, arte & cultura em geral, e um campo entre o filosófico & o místico fazendo a costura entre os dois anteriores. Fui pra Inglaterra estudar agricultura biodinâmica e desenvolvimento rural em perspectiva antroposófica - dois anos no Emerson College - não porque tivesse talentos de agricultor, mas porque entendia que nenhuma cultura seria sustentável sem uma relação saudável com a natureza nesse alicerce da civilização que é a produção dos alimentos. Mas meu objetivo não era ficar no alicerce: a ideia era criar possibilidades de crescimento cultural, de desenvolvimento humano pleno sem precisar abandonar o interior. Ao voltar da Inglaterra passei mais algum tempo em Guarapuava e em Curitiba, temperado com alguns meses de São Paulo, e me instalei em Botucatu, cidade do interior de São Paulo em situação geográfica análoga à de Guarapuava no Paraná - na verdade a 12 Km da cidade, no conjunto de iniciativas de inspiração antroposófica que começava a vicejar em torno da pioneira fazenda Demétria. Também pensava que esta terceira vida seria definitiva, e que a ida para um ano de Alemanha entre os 33 e os 34 anos seria apenas um detalhe da mesma.


O que eu não esperava é que a tentativa de estudar a realidade histórica e social brasileira com o instrumental disponibilizado pela antroposofia terminasse me revelando inconsistências estruturais profundas no corpo dessa proposta de cultura nascida no espaço cultural alemão, que tem uma pretensão de universalidade que é ao mesmo tempo o seu charme e sua fraqueza, pois se mostra insustentável frente a um entendimento efetivamente antropológico das coisas. Enfim, concretamente, aos 35 me vi em São Paulo - a antítese total do interior em que eu havia imaginado trabalhar - trabalhando com cultura no oceano dos jovens da periferia - que é, afinal, onde o povo original do interior já havia ido parar. E essa veio a ser uma quarta vida; a passagem pelas periferias urbanas da Região Metropolitana da Baixada Santista (2002-2007) não foi nenhuma interrupção, mas apenas uma variação dentro do mesmo processo. E foi nessa situação que realizei o que me parece ser um fruto significativo - se há outros não sei, mas esse eu ouso apostar que é: o desenvolvimento das bases e diretrizes de uma Filosofia e Pedagogia do Convívio (sobre as quais já há pelo menos 600 páginas disponíveis em www.tropis.org/biblioteca - embora ainda falte muito para o quadro estar suficientemente completo e organizado).

O "detalhe avassalador" dessa quarta vida foi: sendo atividade prospectiva, experimental, pioneira, nunca encontrei quem estivesse disposto a bancá-la a não ser por períodos curtos. Na maior parte do tempo eu mesmo tive que financiar o trabalho mais importante da minha vida fazendo coisas que julgo de importância menor, como aulas de idiomas e traduções. Uma ou outra vez, é verdade, consegui aprovação de projetos relativos à própria Pedagogia do Convívio, e aí tive que administrá-los - mas administrar não é o mesmo que estar na  execução direta da pesquisa-ação. Desse modo, se os 18 anos de 1992 a 2010 foram os interiormente mais enriquecedores da minha vida, exteriormente seu resultado foi o mais completo empobrecimento: aulas, traduções e projetos não deram conta de bancar o custo desses tempos experimentais: também as propriedades que eu havia herdado (não muitas, mas houve) foram vendidas e comidas até o último centavo - em uma mesa onde raramente estavam sentados menos de cinco pessoas, muitas vezes dez ou mais.


Bonita que tenha sido, também essa quarta vida chegou a um limite por si - e o trabalho de parto de uma quinta parece ter começado em outubro de 2010, quando enfiei minhas coisas em duas mochilas - entre elas dois projetos de mestrado - e tentei me mudar para Salvador. Depois de 40 dias, inesquecíveis mas que não trouxeram o ingresso no mestrado desejado, voltei a Curitiba, onde nasci, para encontrar minha mãe, aos 88, numa situação quase tão frágil quanto a minha 53 anos antes. Ficou evidente que precisava ficar lá cuidando daquela situação, mas ainda em dezembro topei assim como que casualmente com o edital de um concurso do governo do Espírito Santo - terra do amigaço que tem sido o companheiro mais presente & leal nos últimos anos.

Resultado: nove meses depois de encontrar o edital (acreditem: nove!) estou nomeado e empossado como um Especialista em Desenvolvimento Humano e Social do Estado do Espírito Santo - um título que tem tanto a ver com tudo o que veio antes que espero que tenha a oportunidade de se realizar de fato, não ficando meramente no nível dos rótulos burocráticos. Como isso se dará no cotidiano concreto, ainda não sei: ainda está para começar. Mas o contraste já por definição com os 20 anos anteriores, de batalhas muitas sem respaldo institucional nenhum, é suficiente para sugerir que começa uma 5.ª vida, nesta 15.ª cidade onde já morei ou trabalhei (bom, pode ser apenas a 12.ª, se contar as 4 da Baixada Santista como uma só...)

Acho que até posso pedir aos amigos que me desejem força, luz & sorte nesse momento, né? ;)




2 comentários:

  1. Adorei fazer essa leitura. Seus relatos revelam uma pessoa única, admirável!!Boa sorte, axé, muitas bençãos, bons fluídos, bons frutos!

    maria elvira

    ResponderExcluir
  2. Sandra Seabra Moreira16 de set de 2011 21:46:00

    Rickli,

    Que delícia de texto!
    É bom quando a gente tem a sensação de que tudo o que fez na vida faz um sentido e, enfim, converge a nosso favor, não é? De novo, tudo de muito bom nessa nova fase!

    ResponderExcluir