Acredite nos que buscam a verdade... Duvide dos que encontraram! (A.Gide)

17 outubro 2013

LGBT e Literatura Brasileira


.
Publicado originalmente em 11/10/2013 na coluna Espaço LGBT do jornal ES Hoje
.
Já falamos de amores entre iguais nas remotas literaturas suméria e hebraica. E na brasileira, tem? Há um paradoxo, aqui: dizem que temos “o 1º romance homossexual da literatura ocidental”: Bom Crioulo, de Adolfo Caminha, que já em 1895 tratou dos amores entre um marinheiro negro e um grumete loiro. Mas, esgotada a edição inicial, o livro foi proibido, e só reeditado em 1985. Só a partir de 1970 autores como João Silvério Trevisan e Caio Fernando Abreu passaram a tratar do tema com naturalidade, não mais com meias palavras ou como aberração, como vemos p.ex. em Raul Pompeia e Lúcio Cardoso.

Do que se escreveu no entremeio, tenho apreço especial por Mário de Andrade, sujeito de espantosa universalidade: formado pianista, inaugurou no país a poesia moderna, a prosa experimental, as políticas públicas de cultura, e a pesquisa respeitosa das religiões afrobrasileiras; não bastasse, foi quem revelou ao mundo a arte do Aleijadinho, então abandonada, e contratou Lévi-Strauss para as pesquisas entre os índios do Mato Grosso que revolucionaram a antropologia.

No campo LGBT, Mário costuma ser mencionado por Frederico Paciência, do livro Contos Novos (1943), mas na verdade há referências sutis espalhadas por toda sua poesia, crônicas, cartas e - o que eu mais gosto - nos Contos de Belazarte, escritos em 1923-25. Dos 7, 3 descrevem mulheres que se envolvem com cafajestes, e terminam com a frase “Fulana era muito infeliz”. Um descreve os sofrimentos do filho pequeno de uma dessas, e outro a paixão de uma adolescente por um professor. No 5º conto, o narrador conhece no bonde um jovem negro cujos olhos “adoçavam tudo que nem verso de Rilke”, e o contrata como doméstico. Não conseguindo romper as barreiras, ajuda-o a casar, batiza o filho… mas admite explicitamente que almejava um amor também corporal.

E aí aparece Nízia Figueira, última remanescente de uma família tradicional. O pai morre e deixa Nízia, aos 16, com um sítio nas imediações de São Paulo e uma criada negra uns dez anos mais velha: a prima Rufina. Vigorosa, esta empreende o plantio de frutas e hortas e vai vender na cidade, junto com os trabalhos de Nízia em tricô. Juntam seu dinheiro, aparecem pretendentes, Nízia nem sabe namorar, o tempo passa, pretendentes desistem, dores vêm e vão… e vão ficando só as duas e a cachaça: “Prima Rufina, se encostando em quanta parede achava, puxava Nízia. Nízia se erguia, agarrava o garrafão em meio, e as duas, se encostando uma na outra, iam pro quarto”. Sexo? O conto não dá nome. Mas fala de uma intimidade em que uma “acabava se aconchegando entre as pernas da outra, fazendo daquela barriga estufada um travesseiro cômodo”. Uma adormecia, a outra “ficava piscando devagar, mansamente. Que calma!”… E o livro ousa concluir: “Nízia era muito feliz”.

Noto agora que estes três textos atacam não só a barreira do sexo igual, mas também a racial, e dois deles a de classe social. Talvez por isso eu goste tanto deles: não são LGBT em abstrato: tratam de um lugar chamado BRASIL.
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário